"Para existir grandes escritores, devem existir grandes espectadores também."

segunda-feira, outubro 25

Salvação


Faz assim, escreve num pedacinho de papel o teu antídoto, uma frase confortante e impossível, o teu desejo, rumo - o que alivia a tua dor - e guarda. Guarda um por um numa caixinha, dobrados, amontoados e loucos, mas o faça. Assim, quando não tiveres mais esperanças nem soluções pra tuas desgraças, sorteio-os! Haverá dias piores, dias insólitos que tuas manhas e birras agora cobertas e lacradas por essa casca de ilusão e mesquinhagem não podem enxergar. E nem te enxergam! Todas as vezes que apenas o empurram pra baixo. Então aprenda enquanto é tempo, a acreditar que nem tudo está perdido, pois quando estiver, a única coisa que conseguira fazer, é se afundar em sonhos amarrotados. Porém, se legíveis, te servirão de asas, para que seja possível sua volta à birras costumeiras, que tanto acredita ser o fim do mundo. Egoísta!

Decisão


Prefira até uma pessoa que você não ame, à uma pessoa que te corresponda, mas não sabe o que fazer com isso.

Silêncio

quinta-feira, outubro 14

Brilho


A sombra se destrói na presença de luz.
O sol não a enxerga, tampouco deixa de brilhar.

sexta-feira, outubro 8

Trapaça


Não existem pessoas desinteressantes, existem pessoas efusivas. Mistério e mentira são arte: De quem sabe o que quer!

Amar


Eu não obrigada a comer teus restos, e como. Me acomodo no que te sobra, jurando que um dia te fará falta. Eu não lhe devo admiração até que saiba da minha existência, e não sabe. Nunca irá saber. E, nunca deixarei de admirar, dói. E no lixo saio procurando, uma saída pra essa dependência, um defeito que seja, algo que eu faria diferente. Mas nunca faria quem é dos restos. Das sobras, daquilo que você nunca nota, e daquilo que eu torço pra um dia notar. Um dia eu canso, em dia sumo, desapareço. Fazendo mal pra quem vive do que me sobra, do que não quero. Rindo de quem depende de mim. Sinto tua vinda, sinto tua falta.

Vida


Eu não escrevo pra fora, eu não rabisco nem faço rascunho, vem fácil. Eu não escrevo pra ser lida, entendida, admirada ou compreendida: Eu só escrevo. Escrevo pra dar vida ao que tá dentro, da forma que é, sem embelezar nada. Eu não preciso de concentração nem de revisar, nunca foi preciso pensar pra sentir. Sai leve, tranquilo. Eu não escrevo por dinheiro, por trabalho ou por paixão. Escrevo apenas por respirar. Expira, respira. Escreve e lê. O ler vem depois, antes do ver e depois do sentir. Ás vezes enfia na gaveta, amassa, rabisca, ri. Acha que é loucura, que é desdenho, que é terrível. Mas o que importa é que escreve, pra viver.