"Para existir grandes escritores, devem existir grandes espectadores também."

terça-feira, maio 4

Esperar, esperar e esperar


A maioria das coisas boas da vida, a gente anda esperando pra ter. Anda esperando ter dezoito anos, ter um carro, carta. E mesmo quando ainda falta cinco anos, você sabe que dali cinco anos aquilo vai chegar. Isso não te faz querer mais, nem menos. Se te faz querer, é porque já queria. É por simplesmente querer. Sem essa ideia de tempo ou qualquer imprevisto que venha à acontecer. O amor deveria ser assim. Uma pessoa, e pronto. Você espera! Você espera ela perceber que também te ama. Espera ela mudar pra sua cidade. Espera ela aprender que seus signos combinam. Que você é o amor da vida dela. Pronto, isso é amor. Esperar. Viver por aí enquanto não se tem o tal amor é arriscado. Deveria ser crime também, como dirigir antes dos dezoito. Ou ser barrado, como tentar entrar em um bar antes dos dezoito. Viver por aí procurando um substituto que te queira, é arriscado. Afinal, o amor é isso. Esperar. Devia dar multa também, fingir que ama quem não se ama. Ou estar com outra pessoa pelo simples motivo de não poder estar com quem se quer. Que necessidade é essa? Um sentimento egoísta de possuir o coração dos outros enquanto você sente alfinetadas no seu? É a compensação da sua dor? Não. É só uma prova de que você também pode. Afinal, a maioria das coisas boas da vida, a gente anda esperando pra ter. Também sempre acha que nunca tem. Mal agradecidos uni-vos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário